AVISO

Imagem do Dia


Nebulosa NGC 6559

Ditos

"A minha religião consiste numa humilde admiração pelo espírito superior ilimitado que se revela nos pequenos detalhes que podemos perceber com as nossas frágeis e débeis mentes."
- Albert Einstein


Alguém aí quer PHO?

2016-06-23
24.Jun.- 30.Jun.2016 (Portugal)

PHO pode chegar à mesa em duas variações. Na sua forma mais frequente, pho é uma sopa vietnamita com caldo, massa de arroz e bocados de carne. É servida quente, e o pior que pode acontecer com uma boa sopa destas é ficar com vontade de mais. Na sua forma menos frequente, PHO é um objeto potencialmente perigoso vindo do espaço. Também é servido quente, e o pior que pode acontecer com um bom PHO do espaço é a vida na Terra ser aniquilada.

Estranhamente, há muito mais gente no mundo empenhada em encontrar o melhor vendedor de rua ou restaurante servindo pho, a sopa, do que gente à procura de PHOs, objetos em rota de colisão com o nosso planeta.

Há três anos, um bólide com um tamanho de cerca de 17 m penetrou a atmosfera e explodiu por cima da cidade de Cheliabinsk/Rússia. Dos mais de um milhão de habitantes, apenas 1200 precisaram de assistência médica. Porém, se o asteroide tivesse embatido, nenhum habitante teria precisado de assistência médica... nunca mais.



Diagrama dos impactos de asteroides com a atmosfera terrestre detetados durante as últimas duas décadas (1994-2013). Os objetos desintegraram-se durante os impactos. O tamanho dos círculos indica a energia libertada medida em milhares de milhões de Joule (GJ). 1 GJ equivale à energia de um saco contendo 3 milhões de kg de batatas. Crédito: NASA.


95 anos antes, em 1908, em Tunguska, também na Rússia, ocorreu um evento idêntico, embora três vezes mais potente, arrasando tudo o que estava acima do solo num raio de 20 km. Não chegou a haver nem uma mão cheia de vítimas pois tratava-se de uma região desabitada. Se o objeto tivesse chegado apenas 2 a 3 horas mais tarde, hoje, possivelmente, faltava uma das capitais entre a Rússia, a Escandinávia e a Inglaterra.

Em ambos os casos, os objetos que penetraram a atmosfera eram pequenos. Nos dias abrangidos pela crónica da semana passada, 18 objetos cruzaram os céus perto da Terra (NEO = Near Earth Objects/objetos próximos da Terra). Desses, o mais pequeno tem sensivelmente o tamanho do objeto de Cheliabinsk e passou no dia 19 a uma distância que é 2,5 vezes a da Lua. Metade dos objetos apresenta um tamanho igual ao estimado para o objeto de Tunguska. Os restantes objetos, com 100 a 500 metros, provocariam, em caso de embate, a necessidade urgente de alterar os mapas de uma região com a área da grande Lisboa, do grande Porto ou de Paris.

O que fazer em caso de embate de um objeto vindo do espaço? Se o ponto de embate iminente previsto for próximo, talvez o melhor seja colocarmo-nos precisamente nesse local e o assunto fica arrumado. Nas áreas limítrofes à zona de embate também não ficará muita coisa de pé, mas ao menos os municípios em causa ficam com toda a liberdade para elaborarem um plano de ordenamento do território de raiz. Em áreas um pouco mais distantes ainda, será necessário consultar os planos de emergência da proteção civil.

Porém, tudo o que, segundo estes planos, poderá possivelmente ocorrer, seja natural, tecnológico ou social, ocorrerá ao mesmo tempo em caso de um embate não muito distante - desde incêndios, desabamentos, até a conflitos armados à moda dos filmes pós-apocalípticos, tudo.

Vendo os planos de emergência na transversal, nota-se claramente a dedicação à matéria em causa, nomeadamente as responsabilidades, a abundância de siglas no texto (mínimo 50 distintas por documento), o quem-reporta-a-quem e os ideais da teoria de proteção de pessoas e bens. Ler um plano de emergência da proteção civil é uma experiência semelhante à leitura de um contrato de seguros ou de abertura de conta bancária, incluindo tudo o que costuma estar em letra minúscula. O que realmente deve acontecer, depois de decifrarmos as siglas, fica por dizer. Salve-se quem puder.

Queres saber o que anda aí no espaço? A lista sempre atualizada dos objetos que passaram recentemente e irão passar perto da Terra nos próximos dias e meses pode ser acedida aqui:
http://neo.jpl.nasa.gov/ca/
Também existe uma tabela dos objetos em risco de embater, mais cedo ou mais tarde:
http://neo.jpl.nasa.gov/risk/
No entanto, esta lista de pouco serve, pois, até agora, só descobrimos uma minúscula parte das ameaças potenciais que cruzam a órbita da Terra.

Chamar a atenção para a realidade dos factos, não criar pânico, nem paranoia desnecessária, é certamente relevante. Uma das iniciativas que pretende aumentar a consciencialização sobre este tema é o Asteroid Day (dia do asteroide). Este dia ocorre a 30 de Junho de cada ano, o aniversário da queda do meteoro em Tunguska, e é uma espécie de campanha de sensibilização global. Haverá muitos eventos dedicados ao tema promovidos por inúmeras instituições e especialistas em todo o mundo.

Oxalá nunca te caia um PHO na pho!

Fenómenos da semana
27.6. 19:20 Lua em quarto minguante
29.6. 00:57 Lua perto de Úrano (2,5° S) Lua nasce às 2:20
30.6. —.— Global Asteroid Day

Contacto para as crónicas sobre a atualidade celeste: ceu@astronomia.pt