AVISO

Imagem do Dia


Palete de cores em Marte

Ditos

"Se os factos não se encaixam na teoria, mude os factos."
- Albert Einstein


Um Arco-Íris de Estrelas

2011-12-09
Há muito tempo atrás, numa galáxia muito, muito distante, milhares de milhões de estrelas brilhavam. Avançando rapidamente até hoje – 35 milhões de anos depois - a luz destas estrelas atravessou o Universo e finalmente alcançou a Terra. A luz é mais rápida do que qualquer outra coisa no Universo, mas leva tempo para viajar através do espaço. Depois desta épica viagem a sua luz é finalmente capturada pelos astrónomos para fazer esta bonita imagem de uma galáxia distante.


A galáxia NGC 3521 fotografada pelo telescópio VLT do ESO. Crédito: ESO/O. Maliy.
Nesta fotografia pode-se verificar que a cor no centro da galáxia é diferente do que nas regiões exteriores. A galáxia parece mais amarela e alaranjada na região central (na linguagem dos astrónomos “avermelhada"), e mais azul nas partes mais externas. Isso é por causa das cores das estrelas que se encontram nessas regiões da galáxia. As estrelas mais velhas são mais vermelhas do que as estrelas mais jovens. As primeiras vivem no centro da galáxia, as estrelas jovens são azuis e vivem na periferia.

Mas quando olhamos para o céu nocturno as estrelas não parecem possuir uma enorme variedade de cores, elas parecem todas brancas. Porque será? Isso ocorre porque quando a luz da maior parte das estrelas distantes nos alcança já está tão fraca que os sensores de cores dos nossos olhos não funcionam. Por isso vemos essas estrelas em preto e branco! São poucas as estrelas que conseguimos observar com cores, apenas as mais brilhantes, como por exemplo a estrela vermelha Betelegeuse e a estrela azul Rigel, que se encontram na constelação chamada Orion.

//Facto Interessante//: Existem estrelas com muitas das cores do arco-íris: azul, amarelo, laranja e vermelho – assim como algumas são realmente brancas. Mas não há estrelas que pareçam verdes!

Fonte da notícia: http://unawe.org/kids/unawe1120/

Equipa responsável pelas edições do SpaceScoop para português: CAstroMoz, Clube de Astronomia Louis Cruls e NUCLIO.