AVISO

Imagem do Dia


NGC 6960 - Nebulosa do Véu (parte Oeste)

Ditos

"Se os factos não se encaixam na teoria, mude os factos."
- Albert Einstein


Exoplanetas radicais

2011-09-21
Alguns locais na Terra são extremos: os pólos Norte e Sul com as suas baixas temperaturas, o fundo do oceano onde a luz do Sol não chega, e dentro de vulcões extremamente quentes. Mas nenhum destes locais se compara às condições adversas encontradas em alguns planetas no nosso Universo.


Imagem de artista do planeta radical, banhado pelos raios-x da sua estrela. Créditos: NASA/CXC/M.Weiss.
Por exemplo, ao observar com um telescópio de raios-x chamado Chandra, astrónomos descobriram recentemente um planeta distante a receber grandes quantidades de raios-x provenientes da estrela em torno da qual orbita. Essa radiação é 100.000 vezes mais intensa do que a recebida pela Terra, proveniente da estrela mais próxima, o Sol!

Como esse planeta foi descoberto fora do Sistema Solar, é chamado de planeta extra-solar ou de forma abreviada exoplaneta. Este exoplaneta tem uma grande massa – cerca de 3 vezes mais massa do que Júpiter, ou 1000 vezes mais do que a Terra. Além disso, o planeta está muito mais perto da sua estrela do que a Terra com relação ao Sol, uma região que o coloca na linha de fogo da intensa emissão de raios-x.

De forma a conhecer melhor este exoplaneta, os astrónomos combinaram observações feita com o Chandra, um satélite em órbita da Terra, com outras feitas pelo “Very Large Telescope” (Telescópio Muito Grande), localizado em terra, no Chile. Ao faze-lo, os astrónomos descobriram que os raios-x estão a destruir cerca de 5 milhões de toneladas de matéria do planeta a cada segundo. O astrónomo Sebastian Schroeter fez o seguinte comentário: “ Este planeta está a ser completamente frito pela sua estrela.”

//Factos Interessantes// Formas de vida, como por exemplo bactérias, que conseguem sobreviver em ambientes extremos na Terra recebem o nome de extremófilos. Será que podemos encontrar no Universo extremófilos alienígenas vivendo em ambientes ainda mais inóspitos?

Fonte da noticia: http://www.unawe.org/kids/unawe1127/