AVISO

Imagem do Dia


Nebulosa de Eta Carina

Ditos

"Nós criamos ou descobrimos a ciência? "
- Marcelo Gleiser


Uma digressão sobre galáxias

2006-08-10
Há muito tempo, numa galáxia longínqua, muito longínqua...

“A Guerra das Estrelas” (“Star Wars”, 1977)

As galáxias são as unidades básicas que formam as estruturas a grande escala do Universo, composta por milhares de milhões de estrelas, gás e poeira, que se mantêm unidas pela força da gravitação. As galáxias quase nunca estão isoladas: muitas vezes são parte de grupos que, pela sua vez formam grupos maiores que se chamam super-cúmulos. A Nossa galáxia, a Via Láctea, é parte do Grupo Local. O Grupo Local é relativamente modesto para as escalas do Universo e tem como membros mais visíveis a duas galáxias indefinidas ou irregulares, só visíveis desde o hemisfério sul, conhecidas como a Pequena e a Grande Nuvem de Magalhães, e a galáxia espiral Andrómeda.

As galáxias classificam-se fundamentalmente em três tipos: as espirais (como é a nossa Via Láctea), as irregulares e as elípticas. No entanto, os aficionados ao cinema poderiam pensar que as galáxias são todas espirais porque são as que quase sempre aparecem nos filmes. Isso não é muito grave... mas grave é que se faça crer que a se poderia ver a galáxia a rodar.

As galáxias espirais rodam sobre elas próprias e, embora as velocidades sejam muito altas, ainda são lentas para poderem ser percebidas no tempo de vida dos humanos. Uma rotação completa da nossa galáxia, ou seja, um ano galáctico, demora cerca de 200 milhões de anos. Quer dizer que o seu movimento é então imperceptível, embora seja possível ver a mudança de velocidade dum extremo ao outro de uma galáxia externa. Pelos visto os números não ficaram muito claros para os responsáveis dos efeitos especiais do “O Império contra-ataca” (“The Empire Strikes Back”, 1980) onde, na última imagem, via-se ao fundo uma galáxia a rodar muito lentamente enquanto as naves espaciais dos rebeldes estão-se a deslocar no primeiro plano.


Tradução de Cristina Zurita.
Héctor Castañeda é astrónomo no Instituto de Astrofísica das Canárias e mantém um site internet com informação em castelhano.