AVISO

Imagem do Dia


NGC 6946

Ditos

"Se você fosse um verdadeiro seguidor da verdade, seria necessário que pelo menos uma vez na vida você duvidasse, tanto quanto possível, de todas as coisas."
- René Descartes


O projecto Dédalo

2005-02-08

Protótipo da nave Dédalo. Créditos: BIS
Viajar até às estrelas não será uma tarefa fácil. Existem problemas tecnológicos e leis físicas que dificultam imenso a possibilidade de nos deslocarmos no espaço interestelar. Essas dificuldades estão ligadas ao facto de no Universo nada se poder mover a uma velocidade superior à da luz: 300 mil quilómetros por segundo. Mesmo que um dia venha a ser possível aproximarmo-nos daquela velocidade, o que não parece poder vir a acontecer em tempos previsíveis, as estrelas, mesmo as mais próximas, ficarão sempre a muitos anos de percurso da Terra.

Isto não impede porém que os cientistas se ocupem com o desenho das primeiras naves interestelares. A maioria dos projectos de naves interestelares feitos até agora baseia-se no uso de energia nuclear como meio de propulsão. Naves colossais movidas à força de explosões atómicas, conforme foi sugerido pelo físico Freeman Dyson no seu projecto Orion, levariam centenas de pessoas para uma odisseia de mais de 100 anos até à estrela mais próxima, a Alfa do Centauro 1.

Uma proposta bem mais interessante foi apresentada há uns anos pela prestigiada Sociedade Interplanetária Britânica. Trata-se do projecto Dédalo e teria por destino o sistema de Barnard, uma estrela que os astrónomos até há pouco supunham ser acompanhada de planetas. Note-se que foi esta mesma Sociedade que em 1929 propôs um minucioso estudo sobre uma nave capaz de pousar na Lua. Na época, o estudo foi olhado com o maior desprezo e cepticismo, mas ninguém dúvida hoje que ele foi preponderante na construção do módulo lunar Apollo.

No essencial, a nave Dédalo admite a existência de um reactor de fusão nuclear. Apesar de ainda não existirem reactores deste tipo, os físicos e a engenharia nuclear não parecem estar muito distantes da sua construção. O sistema de propulsão da Dédalo seria acelerado por microexplosões, detonadas 250 vezes por segundo com potentes raios laser, uma tecnologia bem semelhante à que experimentalmente é usada em laboratórios de fusão nuclear 2.

A Dédalo foi projectada para ser lançada em meados deste século em direcção à estrela de Barnard. Esta é a segunda estrela mais próxima do Sol, a cerca de 5,9 anos-luz de distância. Situada na constelação de Ofiúco, esta estrela anã-vermelha foi descoberta pelo astrónomo norte-americano Edward Barnard e mostrou ser a estrela com maior movimento próprio: em 180 anos, deve ter percorrido no céu uma distância equivalente ao diâmetro aparente da Lua. Em meados do século passado o astrónomo Peter Van de Kamp, que estudou ao longo de 40 anos a estrela, pensava que ela deveria possuir pelo menos dois planetas com as dimensões de Júpiter, tendo sido esta a razão de ela ser o alvo do projecto Dédalo. Hoje sabe-se que a observação de Van de Kamp correspondeu a um erro instrumental, mas o projecto pode ser lançado a qualquer outra estrela.

Totalmente automática e sem tripulação, a nave poderia consumir todo o seu combustível nos primeiros anos da viagem, acelerando até cerca de 20% da velocidade da luz. Quando consumisse todo o combustível (uma mistura de deutério e hélio-3) os tanques seriam ejectados e a nave deslizaria pelo resto da viagem de aproximadamente cinquenta anos até ao sistema de Barnard.

Ao chegar às proximidades da estrela, a Dédalo lançaria algumas sondas encarregadas de efectuar um estudo intensivo do ambiente da Barnard e dos seus prováveis planetas.

Aqui, na Terra, seriam necessárias duas gerações de controladores da nave e o sucesso da missão só seria possível graças à completa automatização de todos os sistemas e tarefas que a Dédalo teria de executar. Como o tempo de comunicação entre a nave e a Terra seria de ano, o computador de bordo, responsável por todas as operações, precisaria de ser suficientemente "esperto" para tomar todas as decisões. Depois de chegar à estrela de Barnard, teríamos de aguardar mais de 6 anos para recebermos todas as fotografias e informações dos novos mundos descobertos.

Não se sabe se alguma vez a Dédalo será construída mas o projecto em si constitui uma verdadeira porta para as estrelas…


1 Dyson, G. (2002) Project Orion. The Penguin Press, Londres, 2002.
2 Kondo, Y. (2003) Interstellar Travel and Multi-Generation Space Ships. Apogee Books