Imagem do Dia: Mancha Vermelha de Júpiter

2011-06-19

Crédito: NASA & The Hubble Heritage Team (STScI/AURA).
Telescópio: Hubble Space Telescope (NASA/ESA).
Instrumento: Wide Field Planetary Camera 2 (WFPC2).
No século XVII, quando os astrónomos olharam pela primeira vez para Júpiter com telescópios, repararam numa mancha vermelha na superfície deste planeta gigante. Hoje, mais de 300 anos volvidos, essa mancha ainda se encontra presente, constituindo a maior tempestade que se conhece no Sistema Solar. Com um diâmetro de 24 800 km, a Mancha Vermelha de Júpiter é quase o dobro do tamanho da Terra, e é um sexto do diâmetro de Júpiter. Trata-se de um sistema de alta-pressão, pois roda no hemisfério Sul no sentido contrário aos ponteiros do relógio, com um período de 6 dias. Os ventos dentro da Mancha atingem velocidades de 430 km/h. A longa duração da tempestade pode dever-se ao facto de Júpiter ser, essencialmente, um planeta gasoso e não possuir uma superfície sólida que dissipe a energia da tempestade, como acontece com os furacões quando se deslocam do oceano para terra. A Mancha Vermelha vai alterando a sua forma, tamanho e cor com o tempo, por vezes drásticamente.

 

Outras Imagens do Dia:
2019-09-22 - Disco de poeira em volta de buraco negro na galáxia NGC 7052
2019-09-21 - Nebulosa de Orionte e sua vizinhança
2019-09-20 - A galáxia activa NGC 1068
2019-09-19 - Enxame NGC 7380
2019-09-18 - M 87 - Um jacto extragaláctico
2019-09-17 - Marte visto pela Viking 2
2019-09-16 - A nebulosa Insecto (NGC 6302)
2019-09-15 - Galáxia de Andrómeda
2019-09-14 - Enxame aberto M34 (NGC 1039)
2019-09-13 - Nebulosa da Lagoa (M 8) e da Trífida (M 20)


Mais Imagens...