AVISO

Imagem do Dia


Nebulosa de emissão NGC 6820

Ditos

"A minha religião consiste numa humilde admiração pelo espírito superior ilimitado que se revela nos pequenos detalhes que podemos perceber com as nossas frágeis e débeis mentes."
- Albert Einstein


Branca de neve e os sete mil milhões de anões

2016-06-02
3.Jun.- 9.Jun.2016 (Portugal)

Era uma vez uma pequena estrela redonda e branca como a neve que vivia numa galáxia chamada Via Láctea. Ao chegar à idade adulta, aventurou-se para longe do lar e das suas irmãs encontrando um novo poiso atrás de um densa floresta de estrelas, um braço espiral dessa galáxia. Em retribuição pela estadia no seu novo poiso, a estrela branca como a neve tomou conta de um dos planetas, um habitat ocupado por sete mil milhões de anões.

A estrela passou os seus dias a limpar os patogénicos da atmosfera do planeta com a sua luz ultravioleta, dando luz para os frutos, legumes e flores crescerem e fornecendo luz infravermelha para o conforto térmico do ambiente.

Inicialmente, os anões, quando ainda eram muito menos, ficaram muito agradecidos, veneravam a estrela como uma deusa e apreciavam os resultados do trabalho dela. Com o passar do tempo, porém, os anões multiplicaram-se descontrolados, ficaram freneticamente empenhados em trabalhar, lutando pelos recursos cada vez mais escassos e guerreando violentamente sobre meras preferências de opinião.



Apesar do sol muitas vezes parecer amarelo no alto do céu, ou avermelhado, alaranjado quando está junto do horizonte, a verdadeira cor do sol, para a vista humana, é branca. Crédito: GRM


Tão atarefados andavam eles que nem ligavam mais à sua estrela e ao seu contributo essencial para a vida de todos. Por isso, a grande maioria nem deu por nada e nem se interessou quando a estrela branca como a neve alterou ligeiramente o seu ciclo de atividade.

Foi um erro gigante dos anões, por assim dizer, pois deviam ter tido atenção. Durante a sua fase mais ativa, a estrela produzia numerosas manchas escuras na face e expelia vastas quantidades de matéria sobrecarregada de energia para o espaço. Estendeu também a duração da fase de repouso, na qual não produzia quase nenhumas manchas e ejeções de matéria.



A vista de todos os hominídeos, portanto nós incluídos, é sensível a três cores primárias para (a mente) criar a perceção de imagem colorida. Mas a grande maioria dos placentários capta apenas duas cores primárias. A coleção de frutos à esquerda surge tal como os hominídeos a veem. À direita, a imagem está como se pode apresentar à maioria dos mamíferos, apenas sensíveis a duas cores primárias. Estes percebem tipicamente as cores da luz de ondas curtas (azul e verde). A perceção da cor dos objetos, mesmo do sol, varia imenso conforme quem vê, mas também conforme a luz incidente.
Para aprofundar: http://tools.inspiringscience.eu/delivery/lesson/index?id=dfed6672&t=s
Crédito: GRM


O efeito foi devastador. Primeiro, durante a fase ativa, uma ejeção de matéria supergigante dirigiu-se para o planeta habitado e fritou todos os satélites em órbita e a grande maioria dos transformadores de alta voltagem. Os sete mil milhões anões ficaram assim primeiro sem os seus preciosos brinquedos de comunicação e por fim sem eletricidade durante anos a fio.

Ainda perdurava a tentativa de reconstrução da funcionalidade da sociedade de anões (dos que ainda restavam), quando a estrela branca como a neve entrou num longo trecho de baixa atividade, um repouso merecido. Embora não se saiba bem como funciona o mecanismo por detrás, nesse tempo o planeta sofreu um arrefecimento substancial e entrou numa época glaciar das grandes. Sem preparação adequada e sem eletricidade os anões sucumbiram de vez e ficaram praticamente extintos.

“Finalmente o planeta que rodeia a estrela branca como a neve foi dominado por nós”, termina a barata o seu conto de uma antiga lenda aos seus 150 filhos mais recentes.

Notas do autor:
A moral da história é para cada um extrair como preferir.
A lição mínima da história é o nosso Sol ser de cor branca.
A atualidade celeste desta história é o Sol dirigir-se para o mínimo de atividade. Convém acompanhar com olho desconfiado esta fase, não venha o Sol alargar a duração do mínimo ainda mais que no último ciclo.



O aquecimento global atualmente verificado e com contribuição substancial do homem pode não só mudar o clima global em poucos anos (não décadas) mas terminará quase invariavelmente numa época glaciar. Um globo congelado já fez parte da vida da Terra. O oposto, um planeta sem água (dta.) é um futuro assegurado, quando a nossa estrela em aquecimento gradual, que é parte da sua evolução natural, evaporar todos os oceanos.


Fenómenos da semana
03.6. 07:25 Saturno em oposição
05.6. 04:01 Lua nova
05.6. 13:42 Mercúrio em máx. elongação oeste
06.6. 22:15 Vénus em conjunção superior

Contacto para as crónicas sobre a atualidade celeste: ceu@astronomia.pt